quarta-feira, 15 de maio de 2013

Shavuot, A Festa da Primavera

Shavuot é talvez a mais leve e agradável das festas judaicas e, portanto um dos feriados mais alegres de Israel.

O shavuot que em hebraico significa "semanas", é o feriado que ocorre 7 semanas após o Pessach e é também chamado de festa da colheita, dos grãos, dos queijos ou "celebração branca" e na verdade ele é isso tudo mesmo.

É chamado de celebração branca em alusão ao branco do leite e ao fato de ter sido esse o momento em que o povo judeu teria recebido a revelação da Torah. O branco remete à pureza e o leite ao nascimento ou renascimento (anual), o que nada mais é que um festejo da primavera, já que, no hemisfério norte, é durante esta estação em que vacas, ovelhas e outros animais costumam dar cria, além de ser (ou ter sido) também a principal época de colheita do ano. E por uma questão de tradição, as pessoas costumam passar o shavuot vestidas de branco.

A primavera em todo hemisfério norte sempre foi um momento de tranquilidade e de fartura à mesa, tanto assim que as danças e cerimônias tradicionais de Shavuot são bastante semelhantes aos festejos wicca e celtas de louvor à primavera que ocorriam durante idade média ou até mesmo antes disso.


As pinturas da celebração Wicca foram retiradas do blog: http://ayearandadaywicca.wordpress.com/

O Shavuot é um feriado muito voltado para o campo e para a vida rural, o que se traduz em uma mesa farta de queijos, vinhos, frutas e cereais.

Pela tradição Ashkenazi (na qual eu fui criada) à noite se costuma comer um prato de carne, então é comum que as mesas de queijo sejam feitas durante o dia ou manhã.

Deixo aqui a foto da nossa mesa de café da manhã e aproveito para mostrar alguns queijos comuns em Israel:

Esse ano de 2013 o feriado de Shavuot caiu nos dias 14 de maio (véspera) e 15 de maio.

E esse post encerra meus posts sobre feriados israelenses.
Se ainda não tiver lido sobre algum, procure a sua direita por seções e clique em "Feriados Israelenses".

13 comentários:

  1. Shalom Yaheli.

    Mazal tov, ultrapassou as 78 mil visualizações.

    Em relação a Shavuot, o costumo sefarad, é diferente pelo que sei, mas achei esse costume do queijo bem legal, afinal sou um amante dos laticínios.


    Agora uma pergunta off-topic ...

    Olha, sempre me contaram e pelas informações que tenho pesquisado, que em Eretz tem 0% de assaltos, furtos, etc. Isso é 100% verdade ?

    Me disseram que a exceção é nos territórios ocupados.

    Sabe algo sobre isso ? se já tiver escrito isso, me diga o post que leio lá.

    Shalom;

    Gabriel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gabriel,

      Também adoro laticínios.

      Eu até já escrevi falei sobre essa questão da violência ser baixa em Israel, mas não num post específico para isso.

      Então, olha só, obviamente que a violência em Israel não é zero, nada é 0% ou 100% em nenhum lugar do mundo.

      Eu diria que assalto/roubo e coisas do gênero, que eles chamam de crimes de rua são uma raridade em Israel, não significa que não exista, mas as estatísticas estão sempre muito perto de zero em todo o país, mesmo nas cidades maiores como Tel Aviv ou Jerusalém.

      O número de homicídios gira em torno de 0.09 pessoas por 100.000 habitantes e a maioria é crime motivado por briga.

      Em 2011 foram assassinadas 6 pessoas no país, no mesmo ano no Brasil foram assassinadas quase 35 mil pessoas, ou seja, por 100 mil habitantes são 18.1 pessoas. Por aí você vê.

      Ah! Nesses anos que eu moro aqui nunca conheci ninguém que tenha sido assaltado, nem parente/amigo de ninguém que eu conheça.

      Violência urbana, definitivamente não é um problema em Israel.

      Abraços
      Shabat Shalom

      Excluir
  2. Oi,Yaheli.Sabe o que mais amo nestas celebrações em Israel? É que todas são ordenanças da Torah e até hoje são cumpridas.Não são festas pagãs,são ordenanças do Eterno e isto é muito lindo de se ver.Tambem por isto eu amo este povo e esta cultura, este comprometimento do povo com as leis de DUS.Diante disto todos os defeitos de Israel se tornam insignificantes para mim.Mais uma vez,obrigado por este post.Israel está dentro do meu coração como a minha pátria espiritual.Beijos.Carmen

    ResponderExcluir
  3. amei Ya, amei os pratinhos e a mesa.. eu adoro os queijos de Israel. bjo minha amiga

    ResponderExcluir
  4. (queria fazer um comentário sobre o seu blog, e, de fato, o fiz, mas acho que fiz sobre um post de uma data um tanto lá atrás; não sei se a data tem a ver, mas, em todo caso, repito meu comentário aqui, neste post mais recente que encontrei)

    Olá, Adri-Yah,

    Meu nome é Antonio Carlos, moro em Campina Grande-PB.

    Invejável o conteúdo de seu blog. Realista e sensato; bem pé-no-chão mesmo. Encontrei-o por acaso procurando informações sobre o calendário judaico, suas festas e eventos relacionados às chuvas, colheitas, etc.. Israel sempre chama a atenção; sua cultura milenar influenciou o mundo todo; e de modo especial no que se refere ao aspecto religioso. Fico impressionado ao ouvir alguns colegas falarem de suas "aventuras" há vinte, trinta anos atrás nos famosos "kibutzim" que parecem estar em processo de extinção ou desativação. Ao ouvir tais coisas, a impressão que temos é que Israel é uma democracia desde sempre. Mas, o seu blog é interessante pelo fato de desmistificar um pensamento recorrente por aqui: o de que um terrorista está se detonando por aí a cada minuto; que todo mundo vive aí estressado, meio paranóico por causa da segurança; que aí é um lugar onde ninguém dorme e tem sossego. Ao ler suas "crônicas da vida diária" daí, chegamos a ingrata (mas sensata) conclusão que viver aqui no Brasil é mais perigoso. Querida, eu li um comentário de alguém perguntando onde se poderia encontrar farinha de mandioca por aí e percebi em sua resposta uma certa dificuldade para se encontrar por aí tais iguarias. Imagina um nordestino da gema vivendo por aí sem cuscuz, macaxeira, inhame, batata-doce, carne de charque e farinha de mandioca? Só dá pra aguentar um regime desses por, no máximo, "três meses". Viver em Israel? Ô xente, bixinha, dêxe disso, muié!

    Fica na Paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Antônio Carlos, tudo bem?

      Muito obrigada pelo carinho!

      Fico feliz que goste do blog, e sim eu recebo todos os comentários, eles chegam para mim por e-mail, mesmo nos posts mais antigos.

      Farinha de mandioca e macaxeira realmente não tem por aqui, mas inhame e batata doce tem sim.

      O que é que vocês chamam de cuscuz aí no nordeste, porque no RJ é um doce, mas aqui em Israel existe um prato que se chama cuscuz que é salgado. Acho que no Brasil se conhece por cuscuz marroquino. É um prato típico de Israel e é muito bom!

      Um grande abraço.

      Excluir
  5. Oi ,Yaheli.Aqui são 23.50,agora e meus amigos recém sairam de minha casa,pois hoje é meu aniversário e eu já estou aqui vendo se tem algo de novo no teu blog. Esta noite está bem fria e,eu optei por um caldo de frango bem temperado e,claro,um vinho tinto sêco ,que é o que mais se bebe no RGS e, de sobremesa,chocolate que é o que mais se come aqui no inverno do RGS,e agora estava pensando em como serão os vinhos de Israel e o quanto se bebe vinho aí,pois já vi que os queijos,tanto aí como aqui no RGS são uma boa pedida sempre.Gostaria,se tu puderes,uma matéria sobre os vinhos israelenses e,se beber comemorar datas importantes é tão comum aí como aqui no RS.Aguardo resposta.Amei tua mesa de café da manhã.Beijão.Carmen

    ResponderExcluir
  6. Quero dizer,comemorar as datas importantes,sendo servido vinho,como aqui,pois na serra gaúcha até criança pequena bebe um pouco de vinho da colônia pois é tido como um alimento e não como bebida.Só pra complementar.Abraços.Carmen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carmem,

      Tudo em Israel se comemora com vinho também. Na verdade em todas as festas judaicas o vinho é obrigatório e sim, já se começa a dar vinho às crianças, claro que pouquinho e normalmente diluído em água, acho que deve ser assim aí também, né?

      Escrever sobre vinhos é algo a se pensar, mas não estou conseguindo escrever nem os posts que já estão no planejamento, mas vou tentar pensar sobre isso.

      A vida está corrida e com novos horários, então por mais um mês ou dois vai ser assim, mas logo logo eu passo a fazer os posts em dias e horários mais regulares como sempre foi. rsrs

      Beijos e obrigada por estar sempre por aqui! :)

      Excluir
  7. Shalom Yaheli.

    Na sua opinião quais os idiomas indicados pra quem vai fazer aliáh ?

    Depois de Inglês e do Hebraico, quais seriam os idiomas mais importantes ?

    Shabat Shalom

    Gabriel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabriel,

      Acho que depois do inglês e do hebraico não há nenhum idioma que se destaque para nada. O resto dos idiomas de Israel são nativos, estudar russo ou árabe, por exemplo, não vai te garantir nada, além de talvez uma conversa no bar.

      Abraços



      Excluir
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...