quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

O Homossexualismo e a Democracia Israelense

Não é de hoje que eu venho tentando mostrar nesse blog o quanto Israel é um país democrático, justo e acima de tudo igualitário.

Porque embora Israel seja oficialmente um Estado Judaico, a religião aqui é bem menos importante do que são os direitos individuais e a democracia, ao contrário do que ocorre em muitos países pseudo-laicos como o Brasil e os EUA, por exemplo.

Porque em Israel, homossexuais declarados podem e devem servir as Forças Armadas. Inclusive eles são incentivados a assumir sua orientação ou identidade sexual. Porque a IDF sabe que a homossexualidade não é uma invenção ou um ato de rebeldia, é parte de uma condição natural e sobretudo porque ser homossexual não é vergonha!
Foto divulgada na página oficial da IDF no Facebook em apoio ao mês do Orgulho Gay em junho de 2012.

Claro que sempre tem alguém para dizer, mas até 1988 ser homossexual era crime em Israel. E daí? Até 1990 a OMS (Organização Mundial de Saúde) considerava o homossexualismo como doença.

E vale dizer que na verdade a lei existia, mas jamais em tempo algum ela foi usada, nunca, no Estado de Israel, um civil foi punido por ser homossexual. Mas mesmo que a lei tivesse sido aplicada, leis são reflexos dos pensamentos de uma determinada época e hoje os tempos são outros, a lei não existe mais. E desde 1993 os homossexuais são legalmente protegidos contra qualquer forma de discriminação.

De lá para cá muitas conquistas foram alcançadas pelos homossexuais:

A lei garante a qualquer casal o reconhecimento legal como unidade familiar e a eles é permitido tudo (ou quase tudo) o que é permitido a casais heterossexuais, como colocar o parceiro (a) como dependente para o recebimento de pensões e seguros, comprar imóveis em conjunto, apresentar renda familiar em conjunto para obtenção de créditos ou facilidades bancárias, enfim vida legalmente normal, como deve ser para qualquer tipo de casal. Na prática, só não se pode falar em casamento homossexual porque em Israel apenas existem casamentos religiosos e como nenhuma religião realiza esse tipo de matrimônio o nome técnico acaba sendo outro. Claro que sempre há coisas pelas quais lutar, mas o caminho até aqui já foi muito bem trilhado.

Em 2005, foi permitida a primeira adoção por um casal homossexual - Uma mulher ganhou na justiça o direito de adotar legalmente o filho de sua companheira que havia sido concebido por inseminação artificial utilizando doação de um banco de sêmen;

E em 2011 a lei do retorno foi aplicada pela primeira vez a um casal homossexual, onde apenas um dos parceiros era judeu. Pela lei do retorno, a cidadania israelense é extensiva ao cônjuge ainda que este não seja judeu. E o processo de imigração deles foi tratado como o de qualquer casal que faz aliah.

E isso nada mais é do que o retrato puro e cristalino da maneira de pensar israelense.

Muita gente aponta Tel Aviv como a Capital Gay do Oriente Médio, alguns afirmam que é a Capital Gay da Ásia, mas a grande verdade é que Tel Aviv nada mais é do que o reflexo super dimensionado do país inteiro.

Israel é um país muito aberto e o homossexualismo faz parte da paisagem Israelense.

E sim, em Tel Aviv se realiza uma das maiores Paradas do Orgulho Gay do mundo. A parada é sempre realizada no mês de junho, no auge do verão israelense e, apesar de ser uma comemoração muito descontraída é também um movimento político, um momento de reafirmar a democracia e de mostrar que igualdade, direitos e liberdade só se conquistam com muita luta, determinação e orgulho da própria condição.




25 comentários:

  1. Yaheli, você é simplesmente fantástica ao abordar qualquer assunto. Desta vez, vosê se superou. Abordou o assunto GAY com a naturalidade de quem toma um copo d'agua. Parabéns a você e parabéns a Israel por essa demonstração de respeito aos direitos humanos.

    ResponderExcluir
  2. Verdade! Concordo com o colega acima (Queiros) todos os seus posts são mto bons mas esse vc se SUPEROU!
    PARABÉNS!!!!!!
    É mto bom saber que pelo menos em algum lugar as pessoas são respeitadas independentes de sua orientação sexual. Bjos!!!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada ao dois!

    E é o que eu penso também, seres humanos precisam ser respeitados pelo único fato de serem humanos, todo o resto é bobagem.

    beijos!

    ResponderExcluir
  4. Admiro-a bastante, o seu blog está cada vez melhor!
    Continue assim por muitos e bons anos.

    Ana Teresa

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigada, Ana Teresa.

    E continue sempre por aqui, tá? :)

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Passando aqui para dizer que o seu blog é ÓTIMO. Estou indo viajar pra Israel mês que vem, e já estou matando algumas curiosidades por aqui.

    Sobre esse post, gostei muito de saber que Israel respeita todos os cidadãos independente de sua orientação sexual.

    Grande abraço!

    =)

    ResponderExcluir
  7. Olá Yaheli. Obrigado por mais um esclarecimento desse maravilhoso país chamado Israel. Quem dera se o Brasil fosse um país igual, pelo menos um pouquinho igual. Aqui, a comunidade GLBT além de não ter apoio da maioria da sociedade, tem os seus direitos não reconhecidos pelo Estado Brasileiro. Para mim, além de ser um tremendo desrespeito aos direitos humanos, é um desrespeito muito grande à nossa Carta Magna que diz que todos somos iguais perante a lei sem discriminação alguma. O Estado é que deveria dar o exemplo e criar leis que gere igualdade, não o faz. Detesto essa promiscuidade entre religião e Estado que rola aqui no Brasil, que, para mim, é a grande ameaça atual ao nosso,já fraco, ' Estado Democrático de Direito. Israel consegue ser mais laico que o Brasil. Aliás, Israel é mais laico que o Brasil.Fato! Numa região onde os homossexuais são enforcados pelo simples fato de serem homossexuais, Israel dá o seu exemplo de solidariedade,respeito, dignidade e tolerância. Parabéns Israel!

    Quem sabe um dia eu me case com um israelense e vou morar por aí. kkkk sonhar não é pecado! kkk

    Obrigado, Yaheli.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito seu comentário. Concordo integralmente, não tenho nem o que acrescentar!

      Segundo eu li recentemente, a bancada evangélica já é a terceira maior bancada do Congresso, não por serem evangélicos ou católicos ou qualquer outra coisa que fossem, mas eu acredito que num país supostamente laico alguém não deveria se arrogar da religião para vetar ou criar leis. Enfim, o Brasil sempre perde as oportunidades de ajustar o próprio caminho e o povo que se lasca.

      E quanto a você casar com um israelense já tem minha torcida. rsrs.

      Olha só, tem um monte de sites de relacionamento na internet em inglês, por que você não se cadastra em algum? Acredite está cheio de israelense querendo conhecer um brasileiro gente boa e inteligente igual a você. Os israelenses adoram o Brasil e os brasileiros! :)

      Excluir
  8. Eu imagino Yaheli :) Eu nunca me cadastrei num sites desses,mas quem sabe dar certo,né? Eu só tenho cadastro no Livemocha,que é para aprender novos idiomas, lá tem bate-papo pra conversar com os gringos,inclusive até falei com um israelense, mas ele era hétero kkk. Só falava de mulher brasileira, das praias etc. kkk. Obrigado pelas dica! Espero consegui um isralense inteligente e lindo! :)

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  10. Tirando o chapéu para essa política de Israel. Conheço apenas Jerusalem, mas pretendo voltar para ficar um tempo estudando hebraico e viajando pelo país.

    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  11. Olá Yaheli.Tudo bem?
    Adorei a forma de abordagem, de um assunto que é ainda tabu em muitas sociedades ditas democraticas e laicas. Parabens!
    Seria interessante, que em seus proximos assuntos, você abordasse a questão da acessibilidade aos portadores de necessidades especiais, ai em Israel; se já houve alguma publicação á respeito, por favor, me indique!
    Desde já, agredeço pela boa vontade.
    Marley.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marley,

      É uma ótima ideia.
      De fato ainda não escrevi sobre isso.
      Tem muita coisa para dizer sobre o assunto, já entrou na pauta para breve.

      Abraços e obrigado pela sugestão

      Excluir
  12. Interessante que o país berço das duas maiores religiões do mundo que reprimem violentamente homossexuais seja tão liberal e compreensiva, obrigado pelo post!

    ResponderExcluir
  13. Amei o texto ! Incrivel não é? Um país baseado numa religião e não laico teria de tudo para haver homofobia e discriminação contra os gays. No entanto é muito democrático que a maioria . Por isso que Israel só progride. Shalom !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada por deixar seu comentário Ferdinando.

      Abração

      Excluir
  14. Bem, deixa eu te dizer que nem tudo são flores, Tel Aviv é aberta ao tema da homossexualidade, mas Jerusalém e outras cidades são abertamente hostis aos gays, basta ver que a Parada Gay de Jerusalém todo ano tem problema com os judeus ortodoxos.
    O Estado de Israel não é tão laico como você diz, pois no seu próprio texto existe essa contradição: só existem casamentos religiosos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem problemas mentais ou de alfabetização? Em nenhum momento eu disse que Israel é laico, muito ao contrário a primeira coisa que eu friso no começo do texto é o fato de Israel ser oficialmente judaico. Vou copiar aqui o trecho do texto porque um texto inteiro você não consegue entender, veja se entende pelo menos o trecho destacado aqui:

      "Porque embora Israel seja oficialmente um Estado Judaico, a religião aqui é bem menos importante do que são os direitos individuais e a democracia, ao contrário do que ocorre em muitos países pseudo-laicos como o Brasil e os EUA, por exemplo."

      E outra, eu queria que você me apontasse uma única parada gay no mundo que não enfrente problemas e protestos.

      Qualquer uma, no Rio, em São Paulo, em Nova York, em São Francisco e até as de Israel, não só Jerusalém, mas também Tel Aviv, todas enfrentam problemas com ativistas anti-homossexuais.

      Só que isso não representa o pensamento da população israelense, se em Israel a religião fosse algo tão extremado a parada gay seria simplesmente proibida, como é no Irã e em outros países cuja religião comanda o povo.

      Se você não entendeu amigo, procura uma escola e volta a estudar poque você tem problemas graves de leitura e interpretação de texto.

      Eu não faço questão nenhuma que você acredite em mim, mas já que você se propôs a ler um texto e ainda por cima quer comentá-lo, o mínimo que você tem é a obrigação de entender o que está escrito.

      Abraços

      Excluir
  15. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  16. Deus abomina o pecado (HOMOSEXUALISMO), mas ama o pecador (HOMOSEXUAL). Todos tem o direito do perdão de Deus e de começar nova vida, dentro dos princípios de Deus..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, esse blog não é sobre religião e se alguém estiver interssado no prdão de Deus não é aqui que virá buscar, então deixa de ser palhaço e vai pregar em outro lugar.

      Chega de ser inconveniente aqui!

      Excluir
  17. Olá querida! Primeiramente quero te parabenizar pelo seu blog, ele é bastante instrutivo e surpreendente. Só quero te dar uma dica, sem nenhuma pretenção, é que o sufixo ISMO não é mais utilizado para designar o comportamento homossexual e sim o sufixo DADE, isso se dá justamente por este comportamento não ser mais considerado doença pela ciência, por isso o certo é a palavra HOMOSSEXUALIDADE. (Peço, desde já, perdão, pois não é minha intenção dar uma de sabichão, mas nesta vida a gente sempre está vivendo e aprendendo.

    UM ABRAÇO VIRTUAL CARINHOSO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ádilon,

      Pois é, já me disseram isso, mas depois que a gente cria o link não tem mais como mudar, dá problema no redirecionamento dos sites de busca.

      Eu até entendo que isso agora seja politicamente correto, mas eu ainda acredito que a palavra homossexualismo seja mais usada do que homossexualidade nos sites de busca, então como divulgação de ideia, homossexualismo ainda acaba sendo uma palavra melhor. :)

      Eu já estou há muito tempo fora do Brasil e muita coisa já mudou no português, eu peço desculpas, mas o texto não tem intenção de tratar nada como doença, apenas o fato de eu estar fora do Brasil já não me permite ter a correta medida dessas mudanças.

      Mas fica o seu alerta aqui que eu acho muito legal.
      Um grande abraço

      Excluir
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...