sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Você Não Vai Descobrir a Pólvora

No texto anterior, sobre choque cultural eu comecei  a falar sobre isso, mas não me aprofundei, então para que você não seja o próximo a se decepcionar com Israel porque suas incríveis ideias não deram certo, vamos esclarecer alguns pontos:

A primeira de todas as coisas que se precisa entender num processo de imigração, sobretudo para Israel é, as diferenças culturais mudam tudo que você sabe, supõe ou imagina sobre os seres humanos.

Então não é porque você acha uma delícia comer coxinha de frango com catupiry que o mundo inteiro vai achar também. Antes de pensar em implantar coxinha em Israel, tente primeiro saber porque a comida/salgadinho que mais vende em Israel é o falafel. E por que eles são tão apaixonados por Falafel como o brasileiro é por coxinha e pão de queijo.

É só imaginar a situação ao contrário, falafel é uma delícia, mas será que se algum israelense fosse para o Brasil e resolvesse vender falafel sob encomenda ou numa pequena lojinha ou lanchonete isso seria um grande sucesso? Você deixaria de comer pastel ou risole para comer falafel?

E para quem não sabe o que é falafel, é um bolinho frito feito à base de grão de bico. Pois é, descrição tão pouco apetitosa quanto o que é coxinha, um bolinho feito de farinha de trigo com recheio de frango, certo?

Falafel com Humus, o prato nacional de Israel.

Isso sem falar que comida para ser vendida em Israel é conveniente que seja casher e é bem difícil de se regularizar (eu sei que eu estou devendo um post sobre produtos casher, prometo que em breve ele sai).

Então acredite, você só será capaz de avaliar se um produto, qualquer que seja ele, será um bom produto e terá mercado em Israel depois de alguns anos de vivência e entrega total a Israel. Desligue-se do Brasil e tenha humildade para conhecer e compreender Israel, aí sim, depois disso, talvez você possa ter uma ideia nova, com possibilidade de futuro.

E a segunda ideia mirabolante que quase todo mundo tem quando chega em Israel é a de vender produtos israelenses para o Brasil. Até onde eu sei, todo mundo faz o mesmo caminho, vai até os correios, pergunta quanto é o envio para o Brasil, descobre que é barato e vai embora feliz da vida, divulgar suas vendas em blogs, no facebook e sei lá mais aonde.

Vocês acham mesmo que é tão simples assim? chegar num correio perguntar quanto é e sair mandando produtos para o Brasil? Se fosse assim, tudo mundo viajaria para qualquer país do mundo e de lá ficaria enviando produtos para o Brasil, que bagunça legal ia ser o mundo, né? :)

Você pode mandar algumas coisas para o Brasil via correios, mas isso tem limite de preço, de volume e de tipo de produto por mês e por ano. Se você ultrapassar isso, será taxado, não demorará até que isso se configure como exportação e você terá que pagar impostos que não são baratos, fora a dor de cabeça que isso vai te dar.

Se você quer mandar produtos de Israel para o Brasil só existe um caminho, se regularize, abra uma empresa de exportação, ainda que seja pequena, aí sim você não terá problemas, mas para isso seu hebraico tem que estar num nível muito bom.

O segredo de tudo é ter calma e humildade para entender como o país funciona, se não o seu caminho será como o da maioria das pessoas, ter meia dúzia de ideias que todo mundo já teve, perceber que nenhuma funciona e com três meses de Israel comprar sua passagem de volta para o Brasil.

E antes que alguém me pergunte, não eu não tive nenhuma dessas duas ideias incríveis, mas vejo muita gente chegar aqui em busca do pote de ouro no fim do arco-íris e quebrar a cara, os posts não são só sobre o que eu faço, mas também sobre o que eu vejo.



7 comentários:

  1. Ok agora fale daqueles que chegam aí querendo oferecer serviços (prestadores ) e depois tbém quebram a cara . Fale tbém do sistema educacional que dizem ser um dos melhores do mundo .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em primeiro lugar, é de bom tom se identificar, em segundo lugar o blog é meu eu falo sobre o que eu quiser, isso não é um site do governo de Israel.

      E em terceiro lugar, que eu saiba Israel não precisa de ninguém que venha aqui "oferecer seus serviços"

      Se por acaso você veio e teve problemas e esses problemas não foram causados por você mesmo, você deveria ter corrido atrás do seu prejuízo enquanto estava aqui. Pode ter certeza que leis aqui existem e são cumpridas.

      E se por acaso você veio com visto de turista tentar a sorte, lamento, mas eu vivo repetindo aqui no blog visto de residência/emprego em Israel é extremamente difícil de se conseguir se você não tiver algum vínculo com o país.

      Excluir
  2. Ok , DESCULPE acho que minha comunicação saiu de forma errada , não quiz de modo algum deixa la irritada ou algo parecido , soltei isso apenas por curiosidade e por que geralmente pessoas que vão para outros países vão cheias de sonhos e ficam a imaginar cá alguma coisa do tipo , mil perdões pela maneira errada de se escrever ok . Quanto a ir em Israel seria algo impossível de acontecer de um dia eu ter a grande oportunidade de ir pelo menos para conhecer , você foi abençoada . abraços sorry e PARABÉNS o seu blog é mt bom e gostoso de acompanhar .

    ResponderExcluir
  3. adorei seu blog por isso me escrevi para receber mensagens novas suas e assim vou aprendendo como é o sistema por hae.
    se for possível gostaria de saber se e verdade se alguém do Brasil ir para Israel trabalhar como por exemplo;empregada domestica,pedreiro e outros ganha mais do que aqui?
    abçaooo seu blog ta maravilhoso!!!

    ResponderExcluir
  4. Oi Lisie,

    Olha só, em Israel não é tão comum a figura da empregada doméstica, aqui é comum a função de faxineira ou diarista que trabalha e recebe por hora.

    De fato, a maioria ganha bem e trabalha mal, porque se tem um lugar no mundo onde faxineira é um lixo é Israel. Até acho que brasileiras aqui iriam fazer sucesso nessa área, mas o problema é a questão do visto.

    Israel não dá visto para ninguém vir para cá trabalhar de faxina, pedreiro e coisas do gênero. E vir como ilegal para Israel não é tão simples como ir para os EUA, por exemplo.

    O governo israelense não faz vista grossa para os ilegais, como faz o governo americano. Aqui o caminho do ilegal, se conseguir emprego, vai ser muito breve, porque logo será preso e deportado.

    Mas, apenas respondendo a sua pergunta, sim, pedreiro, faxineira, carpinteiro, pessoas com esse tipo de atividade conseguem ter uma boa renda em Israel.

    ResponderExcluir
  5. O processo de Aliah é complicado? pra visitar israel eu preciso ter um visto previamente autorizado pelo Governo Israelense ou posso ir direto como turista?

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Leandro, o processo de Aliah costumava ser simples e desburocratizado, o meu levou exatos 2 meses. Se ainda é tão simples assim eu não sei dizer. Agora, para visitar Israel não precisa de nada, basta comprar a passagem e vir, o visto de turista é dado na chegada.

      Abraços

      Excluir
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...